Como nasceu o Mondeguinho e o Tesouro da Água

Chegou mais um trabalho à sistema4, que nos deu um prazer muito especial. É que, tratando-se de um filme de animação direcionado para crianças, este trabalho ia permitir-nos recuar até à nossa infância e libertar toda aquela imaturidade aprisionada, que nem sempre vê a luz dos dias.
Depois de receber o briefing do Município de Fornos de Algodres, a equipa mergulhou até ao sopé da Serra da Estrela, num daqueles mergulhos longos, em apneia, que requerem muito treino, concentração e foco.
Era preciso criar não um, mas dois conceitos para este trabalho. Um conceito que suportasse a história, o fio condutor que se desenrola, tal como as antigas películas dos filmes, e que vai ficar arrumadinho na imaginação das crianças, à espera do momento certo para saltar cá para fora, em forma de ação e conselho. E um outro conceito, inerente à narrativa gráfica e à materialização da história, num estilo de animação próprio, que servisse os propósitos do filme, respeitando os tempos de produção, sempre tão curtos e, numa primeira análise, a quente, impossíveis de cumprir.
Os objetivos impostos pelo cliente eram claros: ensinar sobre a importância da água no mundo e como poupá-la, sem esquecer de fazer uma breve apresentação de Fornos de Algodres, um Município repleto de história, com inúmeros marcos culturais e patrimoniais, que hoje se destaca por ser o principal produtor de queijo da Serra da Estrela.
Depois de muita pesquisa, discussão e alguns rabiscos, chegaram as respostas. Uma narradora saída diretamente da lenda mais conhecida da região e um menino chamado Mondeguinho, tal como a nascente do rio Mondego que banha o Município de Fornos de Algodres.
Ao longo do filme, através dos ensinamentos da Moura Encantada, que cuida da água como outrora cuidava do seu ouro, o Mondeguinho vai aprender algumas curiosidades interessantes e dicas fundamentais para poupar um dos bens mais preciosos da Natureza. Pelo meio, há peripécias divertidas que ajudam a manter a atenção e fazem soltar algumas gargalhadas ao público mais jovem.
O ambiente gráfico é muito simples, sem elementos supérfluos a desviar a atenção, e essa simplicidade, combinada com a técnica de motion design, resultou na perfeição.

Não há fórmulas perfeitas para criar filmes de animação, mas há horas infinitas a ver, a ler e a escrever conteúdos para crianças, mais outras tantas em frente ao ecrã a desenhar, animar, cronometrar, sonorizar e aperfeiçoar, para que todos os intervenientes sintam orgulho no trabalho final.
Nós sentimos!

Filme completo em https://youtu.be/o-2eHmNv6UU

Rita Estrela
Copywriter

toTop