Se não consegue visualizar esta newsletter correctamente, clique aqui.

 
 

Sistema4

25 Anos Sistema4
            MARÇO'17 . NÚMERO 96 RS sistema4
sombra
“...e nós sempre quisemos estar um passo à frente.” Manuel Sobreiro
 

Manuel Sobreiro - Administrador do Grupo CAC

O Grupo CAC é actualmente líder nacional na produção de ovos. Integra diversas empresas, como a CAC, a Ovolider, os Ovos do Caramulo, a Alimave (rações), a Alicac e tem participações de relevo na RicaGranja e no Derovo Group. Foi fundada em 1986 e tem uma facturação que ronda os quarenta milhões de euros.

Saber mais em www.ovoscac.com

 
 
 
 

O crescimento da CAC, ao longo destes 30 anos, tem sido notável. De pequena cooperativa local a empresa líder na produção de ovos em Portugal, quais têm sido os principais desafios?
Como em quase todas as organizações que progridem e evoluem ao longo de períodos alargados, são as mudanças e a forma como as pessoas a elas reagem, que marcam o ritmo do crescimento. No nosso caso, mais do que a adaptação a novos processos, tecnologias, mercados e tendências, foram os paradigmas internos da requalificação profissional e o foco na qualidade, que colocaram os maiores desafios. Crescer não foi apenas um exercício de incrementar a produção, investir em tecnologia e aumentar quota de mercado, mas sim uma visão alargada de 360º de todo o sector avícola, suas variáveis e oportunidades, e nós sempre quisemos estar um passo à frente. Desde o início, como cooperativa ou como sociedade anónima, produzir os melhores ovos tem sido o nosso único objectivo.

 

Sobre o Grupo CAC. Como se conduz a evolução de uma pequena empresa para um grupo de empresas?
A evolução de uma pequena empresa para um registo de Grupo empresarial, no nosso caso, foi um percurso natural e que foi resultando de estratégias bem sustentadas, consequentes e complementares. Primeiro, e numa primeira fase, com o foco na produção, classificação e comercialização de ovos, depois com a aposta na produção de alimentação própria e específica para as galinhas, mais tarde, no alargamento à recria de poedeiras, passando pela especialização da logística e transporte e na aposta em sectores complementares como os ovoprodutos ou as produções alternativas. Hoje, todas empresas que fazem parte do Grupo Cac têm a sua função específica, e ao mesmo tempo, completam-se.

 

Os consumidores, cada vez, exigem um maior controlo de qualidade às empresas do sector alimentar. Como têm as pressões do mercado influenciado a estratégia da CAC?
É verdade e assumido por nós, desde sempre, que são os consumidores que orientam as nossas apostas, as nossas escolhas. Seria uma grande irresponsabilidade ignorar as tendências e as exigências de quem consome o que produzimos. No nosso caso, o factor qualidade nunca foi um aspecto condicionado ou pressionado a partir do exterior, mas sim uma estratégia bem definida. Nos últimos tempos sim, com as tendências internacionais de consumo de alimentos produzidos em processos biológicos ou free range, decidimos alinhar também os nossos processos produtivos para os ovos de galinhas ao ar livre, como carinhosamente chamamos: as mais felizes de Portugal.

 

A perceção do ovo enquanto alimento tem alterado ao longo dos anos. A afirmação do ovo enquanto superalimento tem influenciado os resultados da empresa e a forma como se relaciona com o público?
Sem dúvida. Durante muitos anos lutámos contra algumas crenças e dogmas que assinalavam o Ovo como um alimento prejudicial à saúde. Felizmente, os avanços científicos permitiram esclarecer o que desde os tempos antigos já se sabia: o Ovo é um alimento rico e cheio de virtudes, incluindo uma excelente relação preço/produto. Inclusivamente, hoje, os consumidores mais informados já desenvolvem dietas saudáveis em que o Ovo é um dos principais ingredientes, não só pelas suas qualidades intrínsecas, mas também, pelos elevados níveis de segurança que apresenta.

 

Os sistemas de criação de galinhas ao ar livre (free range) têm sido a grande aposta da CAC. Esta aposta surge de uma visão estratégica da empresa ou de uma inevitabilidade?
Claramente de uma aposta estratégica, definida, pensada e estruturada, desde há mais de quinze anos. Obviamente que segue as tendências internacionais do sector agro-alimentar, mas sempre com o objectivo de ser uma diferenciação face à nossa concorrência.

 

Quais foram e têm sido os principais focos de resistência aos sistemas de produção alternativos?
Para além do preço, que é sempre um factor determinante na aquisição de bens alimentares, ao nível do produtor, são as exigências, investimentos e condições necessárias, em contraponto com os processos tradicionais de produção industrial de ovos.

 

Como gere, diariamente, a responsabilidade de ser o principal impulsionador de todo o sector?
Essa é uma pergunta que faço a mim mesmo todos os dias quando vou trabalhar. O que é que me move, para nunca estar satisfeito com o que já consegui e estar sempre à procura de novos horizontes e, com isso, o inevitável aumento de responsabilidade.
Ser um dos principais dinamizadores do sector avícola decorre naturalmente do desejo de fazer sempre mais e melhor. Condição a que já me habituei e acredito ser muito difícil abandonar. Logicamente que me agrada ver este projecto do Grupo CAC ser considerado como a referência e como um exemplo a seguir. Resumindo, vivo muito bem com isto.

 

A aposta na produção alternativa não se nota apenas no tipo de produção, mas também na forma como o comunicam. Para a CAC, que papel tem a comunicação e o marketing no dia-a-dia do vosso negócio?
Não só hoje, como desde sempre, a comunicação e a forma como sempre apresentámos os nossos produtos fazem parte integrante do nosso processo. Não conseguimos conceber que se possa investir tanto nos factores de produção do nosso produto e, depois, não investir para que o consumidor perceba isso. Informar, promover e divulgar fazem parte da nossa cadeia de valor. Ainda mais no sector alimentar, que hoje em dia é tão dinâmico e evoluído. É importante que o consumidor veja nitidamente as vantagens dos nossos produtos e isso só se consegue, comunicando.

 

Como tem contribuído a sistema4 na evolução da CAC?
Como parceiro que tem trabalhado connosco na área do design e da comunicação há mais de duas décadas, podemos afirmar, claramente, que o seu contributo tem sido determinante. Aliás, acreditamos que o oposto também se verificará. A própria sistema4 também tem evoluído com esta parceria connosco. A criatividade, a visão e a organização da sistema4 têm sido argumentos que temos sabido juntar aos nossos ovos e com resultados que o mercado confirma.

 

Como cliente de mais de duas décadas, que mensagem deixa à sistema4?
Naturalmente, que continuem a apostar na criatividade como factor central do seu trabalho e que continuem a gostar de Ovos como sempre o fizeram até aqui.

 
 

sistema4@sistema4.pt T 244 848 360 |  Praceta Joaquim Dias Ramadas,33 | 2410-115 Leiria - Portugal

 
FB